top of page

A Suécia é o 9º país a juntar-se à família das Escolas Nativas


A primeira oficina sobre as Native Schools na Suécia ocorreu em junho.


A Escola Secundária Kattegat, em Halmstad, uma cidade no sul da Suécia, organizou a sua primeira oficina de alemão no mês passado. Alunos de 16 a 17 anos que aprendem alemão na escola como terceira língua (depois do sueco e do inglês) tiveram a oportunidade de ouvir sobre vários temas, da física à biologia e à ciência dos materiais, de três cientistas de língua alemã.

Dr. Rebekka Steffen, gerente de projetos de alemão da Native na Suécia e cientista da Lantmäteriet (Autoridade Sueca de Mapeamento, Cadastral e Registro de Terras), destacou como “falar mais de uma língua é uma habilidade importante a ser desenvolvida, e estou feliz por estar capaz de falar sobre ciências com alunos que aprendem uma segunda ou terceira língua. Os alunos têm a oportunidade de conhecer cientistas reais, aprender coisas interessantes e usar a nova língua num ambiente completamente diferente das aulas normais.”


A oficina foi realizada online, um novo formato que a Native Scientists adotou desde o início da pandemia da COVID-19 e que foi utilizado com sucesso em vários países durante o último ano. Um dos alunos, disse: “depois de um ano de escola online, não era tão estranho ter a Native Scientists online. Foi divertido e estou ansioso para ter isso também na vida real”.

Impressões de cientistas e professores


Anna Ravensburg, uma cientista que estuda materiais magnéticos afirma que “a combinação de falar uma língua estrangeira, bem como a de conhecer um cientista e aprender sobre a sua investigação foi emocionante tanto para mim como para as crianças. Gostei muito da oficina e só posso recomendá-la a outros Native Scientists. Ficarei feliz em participar novamente.”

Moritz Hirsbrunner, um cientista que estuda como funcionam as baterias: “isto era algo que não consigo fazer normalmente, especialmente numa língua que os alunos ainda estão a aprender. Estou confiante de que os alunos aprenderam algo novo tanto em ciências como na língua alemã, e espero que (e o mais importante) tenham se divertido. Gostei muito da oficina e adoraria participar novamente num no futuro.”

A Jéssica, uma das professoras afirma que “participar na oficina foi uma experiência interativa e envolvente para os meus alunos. Eles aprenderam novas palavras relacionadas às apresentações dos cientistas e foram convidados a fazer perguntas. Ouvir, compreender e falar com um cientista motiva os alunos a aprender a língua ainda mais num nível totalmente novo do que as aulas tradicionais poderiam fazer.”


Sobre a Native Scientists

A Native Scientists é uma premiada organização sem fins lucrativos de âmbito europeu que promove a diversidade cultural na ciência, na educação e na sociedade. A Native Scientists oferece oficinas de ciências e línguas, formações em comunicação científica e projetos personalizados para diversas instituições, incluindo escolas, universidades e embaixadas. O trabalho desenvolvido cria pontes entre alunos e cientistas para promover a literacia científica e linguística por meio de modelos de comportamento e aprendizagem integrada de ciências e línguas. Fundado em 2013, o seu trabalho chega a mais de 1.200 alunos por ano e conta com uma rede de mais de 1.000 cientistas internacionais.

Comments


bottom of page