top of page

Hangeul, um alfabeto para mais inclusão



Autor: Rafael Galupa


Em setembro de 2022, a UNESCO anunciou que a Native Scientists foi uma das premiadas com os Prémios Internacionais de Alfabetização da UNESCO [ 1 , 2 ]. Em particular, a Native Scientists recebeu o prémio King Sejong, que reconhece organizações que promovem o desenvolvimento da literacia com base na língua materna. Mas quem foi o Rei Sejong e por que foi escolhido para representar o prémio? Foi um rei coreano que viveu no século XV (calendário gregoriano) e tivemos a oportunidade de saber mais sobre ele quando todos os premiados foram convidados a visitar Seul pela Federação de Centros Culturais e de Língua Coreana [ 3 ].


A história por trás do prémio

Antes do século 15, a linguagem escrita na Coreia (então chamada Joseon) era restrita às classes de elite e consistia principalmente no empréstimo de caracteres chineses para escrever a língua falada coreana (esta escrita 'híbrida' é chamada Hanja). Esse roteiro permaneceu difícil de aprender e um tanto inconveniente, comparado a “usar roupas que não serviam” [ 4 ]. Isto significou que a maior parte da população enfrentou limitações na sua participação nas decisões políticas que influenciaram a sua vida quotidiana. Por exemplo, não podiam ler anúncios oficiais nem apresentar queixas a instituições públicas. Em 1443, o rei Sejong pretendia combater a literacia criando um alfabeto que fosse fácil de escrever e aprender. Ainda não está claro se o próprio rei criou o alfabeto ou ordenou que um comité de estudiosos o fizesse [ 5 ]. De qualquer forma, numa época em que a alfabetização era poder (e ainda é), um alfabeto para “todos” significava mais igualdade e inclusão na sociedade coreana ( ver nota no final ).


Três anos depois, para ajudar a introduzir e ensinar o alfabeto, o rei e os estudiosos publicaram um livro, Hunminjeong'eum (escrito em chinês clássico, posteriormente complementado com um documento mais longo em Hangeul e Hanja) [ 6 ], que explicava o novo alfabeto, afirmando não apenas a sua finalidade, mas também o princípio de confeção das letras. Curiosamente, o formato das letras pretendia representar como a língua, o palato, os dentes e a garganta articulam-se ao produzir os respetivos sons. O alfabeto recebeu inicialmente o nome do livro, significando “sons corretos para a instrução do povo”. O nome Hangeul (que significa 'grande escrita' e 'escrita coreana' [ 7 ]) foi utilizado em 1912 por um linguista coreano [ 8 ] e é o nome oficial do alfabeto hoje. A data formal de publicação do livro, 9 de outubro de 1446, é comemorada na Coreia do Sul como feriado nacional, o Dia do Hangeul.


O impacto do Hangeul na alfabetização da população

O momento do nosso convite para Seul (5 a 10 de outubro) não foi, portanto, aleatório – coincidiu com as celebrações do 576º Dia do Hangeul! [ 9 ] A nossa viagem cultural incluiu visitas a palácios, templos e museus. A nossa visita ao Museu Nacional de Hangeul [ 10 ], um museu inteiramente dedicado ao alfabeto, foi particularmente memorável, porque destacou a importância do alfabeto para o povo coreano e a sua identidade. Tanto é que cada letra do alfabeto foi celebrada com a sua própria canção em cerimonia realizada no museu como parte das comemorações nacionais.


Embora hoje em dia o Hangeul seja considerado um símbolo nacional, nem sempre foi assim. Apesar das boas intenções do rei Sejong, o alfabeto foi inicialmente ridicularizado e contestado pela elite literária coreana, e os documentos oficiais continuaram a ser escritos usando caracteres chineses por mais quatro séculos após a criação do alfabeto Hangeul. Na verdade, o Hangeul só se tornou a escrita oficial da Coreia recentemente, em 1894. Foi até temporariamente banido durante o século XVI, quando um documento foi publicado em Hangeul criticando a governança do então rei [ 11 ]. Inicialmente, para difundir o alfabeto e provar a sua eficácia, o Rei Sejong ordenou a produção e tradução de textos orantes, romances, ensaios e outros documentos. Ele próprio escreveu 125 poemas em Hangeul [ 4 ]. A difusão desta linguagem foi desencadeada e o Hangeul foi progressivamente adotada pelas massas; hoje em dia é falado por cerca de 80 milhões de pessoas. O Museu Nacional do Hangeul contém, por exemplo, registos de pessoas ao longo dos séculos que usaram o Hangeul na vida quotidiana – desde cartas de amor e transações monetárias até queixas oficiais sobre vizinhos e disputas em túmulos. A sua facilidade de utilização acabou por determinar o seu sucesso, superando mesmo a opressão da ocupação japonesa da Coreia na primeira metade do século XX.


Conhecer a história por trás do alfabeto Hangeul, que foi criado para promover a alfabetização e aumentar a acessibilidade, torna a conquista deste prémio de alfabetização ainda mais especial para todos nós da Native Scientists. O reconhecimento pela UNESCO do valor da nossa missão de erradicar as desigualdades sociais baseadas na língua encoraja-nos a continuar a colmatar o fosso entre a ciência e a sociedade.


Agradecimentos

A Native Scientists gostaria de agradecer à Federação de Centros Culturais e de Língua Coreana pelo convite para ir a Seul e ao comité de acompanhamento no local.


Nota: Embora pretenda ser mais inclusivo, nem todos na sociedade coreana poderiam aprender Hangeul, por exemplo, pessoas com deficiência visual. Curiosamente, o braille coreano reflete padrões encontrados no Hangeul e, portanto, não está relacionado a outras escritas braille [ 12 ].



Comments


bottom of page