top of page

Mentalidade positiva através da ciência: posso ser uma “célula-tronco” quando crescer?

Autora: Raquel Leão Monteiro



Já lhe perguntaram “ O que queres ser quando crescer ?” Os sonhos das crianças parecem ilimitados. Queremos ser uma estrela pop, um médico, um astronauta, um ator – tudo ao mesmo tempo. Eu, por exemplo, queria ser radialista. Porém, a curiosidade levou-me por um caminho científico com o passar do tempo. A ciência ofereceu-me novas perspetivas para acompanhar o que me cercava e ser resiliente quando nada parecia fazer sentido.


Como aspirante a patologista molecular, um dos meus objetivos era continuar a alinhar esse conhecimento com o poderoso impacto da educação. Por isso, através do Programa de Desenvolvimento de Liderança ' Teach for Portugal' comecei a trabalhar a tempo inteiro como mentor pedagógico numa escola local. Como tal, desenvolvo abordagens de liderança coletiva com professores/as e outros elementos da comunidade através do ensino na sala de aula e da defesa da diversidade, equidade e inclusão, para garantir que todas as crianças possam atingir o seu potencial. Dou aos meus alunos a oportunidade de experimentar e colocar em prática o que aprenderam na sala de aula. Caso não seja possível, por limitações de material ou espaço, preparo um tema surpresa para motivar a sua experiência de aprendizagem fora do currículo típico das aulas.


Tal como a Native Scientists, este trabalho permite-me promover experiências de aprendizagem para os alunos e mostrar-lhes como a linguagem da ciência pode ter um impacto positivo nas suas vidas, independentemente dos antecedentes económicos, sociais e culturais. Quero que a minha experiência como educador seja transformadora e recentemente tive um exemplo esclarecedor do impacto do meu trabalho.


Durante uma aula de ciências do sexto ano, estávamos a estudar como várias células se dividem e crescem, tropeçando num grupo peculiar de células – as células-tronco. Normalmente, estes não estão incluídos no currículo, mas decidi explorá-los em sala de aula de qualquer maneira. As células-tronco são conhecidas por serem as células mais precoces da maioria dos tecidos, encontradas em vários estágios de desenvolvimento, podendo se renovar e se diferenciar em vários tipos de células diante de adversidades . Além disso, eles passam por um período de proliferação em estado indiferenciado até se especializarem com base no ambiente ao seu redor. Basicamente, com o tempo, eles passam por uma fase de rápido crescimento e multiplicação enquanto ainda não têm certeza do que fazer, até que eventualmente desenvolvam características específicas que correspondam ao seu ambiente ou às suas necessidades.


Tal como as células estaminais, entre a infância e a idade adulta, todos nós enfrentamos uma fase de transição de crescimento e desenvolvimento. Nosso ambiente e experiências influenciam nossa adolescência. Nesta fase começamos a identificar quem somos, o que gostamos ou não gostamos e quem queremos ser mais tarde na vida o que, metaforicamente, é muito semelhante à capacidade destas células.


Os estereótipos sobre alguns alunos os retratam como adolescentes comuns, rebeldes, distraídos, irrefletidos e ousados. No entanto, os educadores conseguem envolvê-los na turma, mais do que o esperado. Duas semanas depois da minha aula, quando solicitados a desenvolver metas SMART e a partilhar o que querem ser quando crescerem numa aula de educação para a cidadania, três alunos disseram que queriam ser células estaminais. Fiquei sem palavras com esse resultado. Eles explicaram que queriam poder lutar independentemente dos desafios que enfrentassem. Ficaram surpresos ao saber que as células-tronco pudessem ser qualquer coisa e tinham esperança de aprender como ser como elas. Com isso, essas “novas aspirantes a células-tronco” expressaram o desejo de encontrar novas formas de adaptar suas vidas, mesmo que não tivessem uma resposta específica no momento.


Tal como afirma a UNESCO (2022), o aumento da literacia científica deve também considerar as necessidades sociais e os desafios globais . O envolvimento público com a ciência precisa de incluir o contexto social e a investigação deve esforçar-se por ser relevante para ele. Enquanto os alunos absorviam as suas experiências quotidianas, económica ou culturalmente, alguns deles sentiam-se inspirados pelas células estaminais. As células eram algo que não podiam ver ou tocar, mas tiveram a oportunidade de aprender sobre o seu comportamento e isso foi suficiente para iniciar uma mentalidade positiva.


Esta experiência é a prova de que o entrelaçamento entre ciência, conhecimento e experiências gerais está à nossa volta, mas por vezes é difícil medir o seu poder. Conhecer as células-tronco foi poderoso o suficiente para resgatar a esperança, defendendo a necessidade de diversidade, auto crescimento e resiliência nesta turma. Contudo, e se esse conhecimento pudesse ser comunicado desta forma a outros públicos? Será que as células estaminais também nos inspirariam a ser a melhor versão de nós próprios à medida que envelhecemos?

Comments


bottom of page