top of page

Uma plataforma de streaming para ciência

Autora: Joana Saraiva

“A ciência não está terminada até que seja comunicada”, disse o cientista-chefe do Reino Unido, Mark Walport , numa reunião sobre alterações climáticas em 2013. Dez anos depois, é altura de nos perguntarmos: temos realmente comunicado ciência?


A Comissão Europeia definiu a ciência aberta como uma prioridade política, afirmando que os investigadores devem partilhar os seus conhecimentos e dados desde o início, para que todos os intervenientes relevantes tenham acesso aos conhecimentos mais recentes. Mas quem são os atores relevantes?


Como jovem cientista em Portugal, sei que até os investigadores têm dificuldade em aceder a artigos científicos. Ou temos a sorte de ter assinaturas de periódicos através de nossos institutos ou somos forçados a usar a famosa plataforma de pirataria chamada Sci-Hub . A triste verdade é que a ciência ainda não está aberta a todos as pessoas cientistas, muito menos ao público não especializado.


Mas os intervenientes relevantes não se limitam à comunidade científica. Todos nós nos beneficiaríamos se divulgássemos a ciência com a indústria, os legisladores e o público. Se todos participarmos «no processo de investigação e inovação, a criatividade e a confiança na ciência aumentam», como afirma a Comissão Europeia . A crise das alterações climáticas e a pandemia da COVID-19 são excelentes exemplos: quando a ciência é comunicada de forma ampla e eficaz, pode mudar a atitude e o comportamento de milhões de pessoas no mundo inteiro. Vivemos numa era emocionante, em que a importância da divulgação científica é cada vez mais reconhecida. Organizações como a Native Scientists estão a contribuir grandemente para este propósito, promovendo uma educação de qualidade e celebrando a diversidade em STEM. Se quisermos que o público seja informado com informações cientificamente precisas, o primeiro passo é partilhar a ciência com todos.


Enquanto as pessoas cientistas lutam para ter acesso a artigos científicos, muitos membros do público nem sequer sabem onde encontrar literatura académica ou como interpretá-la. Na maioria das vezes, a comunicação científica nas redes sociais ocorre apenas em torno de pesquisas publicadas em periódicos de alto fator de impacto , enquanto todas as outras são simplesmente ignoradas. Além disso, os meios de comunicação que partilham descobertas científicas tendem a começar com títulos cativantes como “novo tratamento para o Alzheimer ” ou “nova cura para o cancro ”, muitas vezes criam uma publicidade enganosa e não explicam realmente o longo caminho que vai da bancada até à beira do leito. Como podemos tornar a ciência mais acessível e compreensível para todos?


Como amante da ciência e da música, não posso deixar de encontrar semelhanças entre os dois mundos. O desenvolvimento de plataformas populares de streaming, como Spotify e Apple Music, foi uma consequência direta do desejo das pessoas de ter acesso gratuito e rápido a todos os tipos de música, levando a uma crise numa indústria fortemente dependente da venda de CDs. O acesso fácil e barato à música mundial, incluindo músicos menos conhecidos, tornou a música mais acessível às massas. Podemos desenvolver uma plataforma semelhante para compartilhar ciência?


A ideia é criar uma plataforma centralizada onde todos possam ler artigos revisados por pares e cientificamente precisos com um simples clique. Globalmente, este modelo de partilha de ciência pode ser extremamente vantajoso não só para a comunidade científica, mas também para o público, conduzindo em última análise a uma maior literacia científica.


Ter uma “plataforma de streaming para ciência” significaria que todos poderiam simplesmente instalar uma aplicação para encontrar as novas atualizações nas suas áreas de interesse. Se estiver particularmente interessado no desenvolvimento de vacinas, poderá receber uma notificação sempre que um novo estudo de vacina for publicado. No entanto, para não cientistas, os escritos académicos podem ser difíceis de ler e repletos de jargões técnicos que exigem conhecimento prévio do tópico em questão. Para superar esta potencial barreira, uma equipa de comunicadores científicos trabalharia em conjunto com os autores para criar um resumo para não especialistas, utilizando uma linguagem simples e destacando a mensagem para levar para casa, sempre que um novo artigo fosse submetido na aplicação. É importante ressaltar que a plataforma também poderia incluir um fórum onde todos pudessem deixar comentários ou perguntas ao autor. Um dos recursos mais populares do Spotify é o ‘recapitulação do ano’, no qual você analisa os seus principais sucessos do ano. Nesse caso, a aplicação poderia oferecer uma recapitulação de diferentes áreas científicas, como as principais descobertas no desenvolvimento de vacinas ou na ciência climática em 2023. Dessa forma, poderíamos estar sempre atualizados sem sermos especialistas na área de interesse. Ao promover a comunicação científica para todos, esta aplicação pode ajudar a combater a desinformação.


Além disso, ter um aplicativo centralizado de acesso aberto pode superar alguns dos problemas que a comunidade científica enfrenta hoje. Abre a possibilidade de criar um novo modelo de revisão por pares, aplicando padrões comuns a todos os manuscritos. Além disso, o processo de revisão nesta configuração poderia ser público (como é feito atualmente por algumas revistas ) e aberto a todos os especialistas na área.


Além disso, os artigos publicados são documentos estáticos, enquanto a ciência está sempre em evolução. Nesta aplicação, os artigos poderiam se tornar documentos vivos, sendo continuamente atualizados, discutidos e complementados por outros trabalhos na área de diferentes autores. Em resposta à crise de reprodutibilidade enfrentada pela academia, o aplicativo poderia permitir que resultados afirmativos ou contraditórios fossem adicionados ao manuscrito original. Este modelo está a ser adotado atualmente pelo F1000 e é como “colocar pedaços de papel no topo de uma pilha existente”. Afinal, as pessoas cientistas trabalham com o mesmo objetivo: avançar no conhecimento. Talvez possamos começar a trabalhar de forma mais colaborativa, em vez de compartimentar o conhecimento em múltiplas publicações, em múltiplas revistas.


Cada vez mais cientistas encaram as publicações científicas do futuro como uma combinação de dados livremente acessíveis, investigação viva, um processo aberto de revisão por pares e uma linguagem acessível a todos. Acredito que é possível, aproveitando as infinitas possibilidades da tecnologia atual, tornar a ciência melhor e aberta a todos.

Comments


bottom of page