top of page

Uma visão restrita: currículos científicos através das lentes ocidentais

Autora: Adriana Cunha Neves


O que Albert Einstein, Marie Curie, Charles Darwin e Alexander Fleming têm em comum? Eles são todos cientistas europeus brancos muito conhecidos, frequentemente apresentados e celebrados nos currículos STEM ocidentais.


Nos últimos anos, a visão eurocêntrica da ciência e da tecnologia adotada no mundo ocidental tem sido criticada pela falta de representação justa das muitas culturas e indivíduos em todo o mundo que contribuem para a ciência moderna.


Inegavelmente, uma série de origens culturais e étnicas moldaram a história da ciência. Os exemplos incluem a matemática Gladys Mae West nos modelos de geodésia por satélite, a pesquisa da química Alice Ball sobre o tratamento da lepra no século 20 e Chandrasekhara Venkata Raman, que ganhou o Prémio Nobel de física. Tebello Nyokong, químico sul-africano e ilustre professor da Universidade de Rhodes, é um cientista contemporâneo que está a fazer avanços notáveis no tratamento do cancro. No entanto, as pessoas cientistas que menciono, e muitos outros, raramente são representados nos principais meios de comunicação ocidentais ou nos currículos científicos .

Como educador, fico constantemente perplexo ao perceber que meus estudantes do primeiro ano não conseguem nomear uma única pessoa cientista não branco. As universidades devem abrir as mentes dos estudantes e promover a colaboração com pessoas de diferentes comunidades e origens.


A instituição onde dou aulas concentra-se na educação centrada na criança, celebrando a diversidade. Nós nos esforçamos para fornecer uma educação que envolva todos as crianças na aprendizagem do que é relevante, impactante, inclusivo e significativo. Infelizmente, esses esforços apenas a nível institucional não são suficientes. Existe a necessidade de implementá-los globalmente e incorporá-los muito mais cedo no ciclo curricular. Na minha instituição, aproximadamente um quarto do nosso grupo de estudantes de ciências não é branco. No entanto, o corpo docente ou os académicos citados nos currículos que ministramos não refletem esta diversidade. O mesmo se aplica a muitos países europeus, em detrimento da experiência universitária dos estudantes provenientes de grupos minoritários.


O racismo estrutural que molda os currículos educativos precisa de ser abordado muito antes de os estudantes chegarem à universidade. A ciência é para todos desde a sua concepção. A validade universal é um dos pilares do conhecimento científico. Se nós, como palestrantes, apresentarmos apenas parte da história, haverá conclusões erradas. Como podemos inspirar estudantes de grupos minoritários a seguirem carreiras científicas, especialmente no meio académico, se durante a sua educação, eles nunca entram em contacto com quaisquer académicos não brancos ou tomam conhecimento de uma pessoa cientista não branca?


A hora de fazer a diferença é agora e todos os membros da comunidade científica podem ajudar, especialmente os envolvidos no meio académico. Vamos falar sobre as conquistas de cientistas de todas as origens culturais e étnicas nas aulas, nas conversas e nas redes sociais. Vamos celebrar a diversidade em STEM dando crédito e representando todos aqueles que contribuem para isso.


Embora ainda haja muito a fazer, várias iniciativas promissoras defendem mudanças curriculares nos vários níveis de ensino. Uma dessas iniciativas é a Native Scientists. A Native Scientists incentiva, apoia e defende a educação científica inclusiva que destaca a diversidade da comunidade científica, celebrando e representando a diversidade cultural e linguística na ciência.


Além disso, muitas universidades têm agora departamentos dedicados à Igualdade, Diversidade e Inclusão (EDI) para ajudar a combater as desigualdades. As iniciativas de EDI dedicam-se a colmatar a lacuna entre a academia e a sociedade. Existem muitos projetos nesta área, incluindo a Implementação do Quadro de Consentimento , Sensibilização e Acessibilidade para Deficientes , Igualdade de Género , Inclusão LGBTQIA+ , Igualdade Etnica e Speak Out . Embora tais iniciativas sejam passos na direção certa, ainda há muito a fazer em todos os níveis de ensino e em toda a sociedade para alcançar uma comunidade STEM com igualdade de oportunidades.

Comentarios


bottom of page