top of page

A viver no Extremo



O programa Native Scientists “Living in the Extreme” foi um sucesso! Este foi mais um projeto pioneiro da Native Scientists, desenvolvido e entregue em parceria com a Royal Society of Biology.


“Living in the Extreme” levou alunos migrantes portugueses, em Edimburgo, numa aventura desde a origem da vida na Terra até à procura de vida no Universo. Este foi um programa inovador desenvolvido pela Native Scientists e graças ao Outreach and Engagement Grant concedido pela Royal Society of Biology.


Dois eventos ocorreram no ano passado: num primeiro momento, cientistas deixaram os seus laboratórios e escritórios para irem à escola de línguas dos estudantes, , Lusofonias, aos sábados; numa segunda instância, os alunos deixaram a sua escola para visitar o Museu Nacional da Escócia. Numa série de atividades práticas, investigadores de ciências naturais orientaram os jovens alunos através da compreensão de (1) como a Terra se tornou um planeta habitável e como a vida evoluiu, (2) os limites abióticos da vida na Terra, (3) as adaptações evolucionárias das espécies, e (4) a procura pela vida no Sistema Solar e além.


Ao reunir alunos migrantes e cientistas nestes dois eventos, pretendíamos aumentar o capital científico das crianças visadas. O programa foi concebido para captar a atenção dos alunos para as ciências naturais, bem como para sensibilizar para a interdisciplinaridade e cooperação entre diferentes campos da ciência para compreender a vida.


Mais de 60 alunos participaram nos dois eventos. O feedback recolhido no final das atividades revelou que 95% dos alunos “gostaram” ou “gostaram muito” dos workshops, enquanto 41% “conheceram” ou “talvez tenham conhecido” um cientista pela primeira vez na vida. A professora das Lusofonias afirmou “Os nossos alunos gostaram muito desta atividade. O feedback tem sido muito positivo. Obrigado pelo seu trabalho duro.” Lara Alegre, doutorada pela Universidade de Edimburgo e principal organizadora de ambos os eventos, mencionou que “as atividades foram extremamente gratificantes para todos os voluntários. Comunicar ciência às crianças foi um desafio, mas permitiu-nos melhorar as nossas competências. A nossa participação também reforçou nossa rede profissional e proporcionou-nos uma experiência válida de divulgação.”


Esta aventura de “Viver no Extremo” só foi possível graças ao excelente trabalho de cientistas voluntários em colaboração com professores e pais.

Sobre a Native Scientists

A Native Scientists é uma premiada organização sem fins lucrativos de âmbito europeu que promove a diversidade cultural na ciência, na educação e na sociedade. A Native Scientists oferece oficinas de ciências e línguas, formações em comunicação científica e projetos personalizados para diversas instituições, incluindo escolas, universidades e embaixadas. O trabalho desenvolvido cria pontes entre alunos e cientistas para promover a literacia científica e linguística por meio de modelos de comportamento e aprendizagem integrada de ciências e línguas. Fundado em 2013, o seu trabalho chega a mais de 1.200 alunos por ano e conta com uma rede de mais de 1.000 cientistas internacionais.

Sobre a Royal Society of Biology

A Royal Society of Biology é um órgão profissional para biocientistas – proporcionando uma voz única e unificada para a biologia: aconselha o governo e influencia políticas; avanço da educação e do desenvolvimento profissional; apoiar os seus membros e envolver e incentivar o interesse público nas ciências da vida. O esquema de subsídios Outreach and Engagement (www.rsb.org.uk/outreach-grants) é uma iniciativa que permite aos membros da Royal Society of Biology candidatarem-se a até £500 para financiar um evento ou atividade na sua área local que envolva pessoas com biologia.

Comments


bottom of page