top of page

O programa Native Schools chega a Portugal



Ciência dos materiais, interculturalidade, luminescência e importância da água foram os temas da primeira oficina da Polish Native Schools, dada no sábado, na escola polaca de Lisboa, gerida pela Associação Sócio Cultural "Polónia".

Onze crianças de língua polaca com idades entre os 5 e os 10 anos participaram na oficina no dia 11 de Maio e ficaram fascinadas com tudo o que aprenderam e vivenciaram!


A iniciativa foi liderada pela Dra. Olga Kaczerewska do CICECO – Instituto de Materiais de Aveiro, Universidade de Aveiro, Portugal, que também é Coordenadora Native Scientists de Polaco em Portugal.


Um grupo de quatro investigadores da Polónia, a trabalhar em Portugal reuniu-se em Lisboa para partilhar com as crianças o que é ser cientista e celebrar o seu bilinguismo. Os alunos exploraram diferentes temas. Os cientistas apresentaram-lhes a interculturalidade e a sua importância entre as crianças; ajudaram-nos a compreender os complexos fenómenos da luminescência utilizando objetos da vida quotidiana; ensinaram-lhes quais são os diferentes materiais e quais as suas aplicações; e explicaram como os peixes sobrevivem durante o inverno e como a poluição afeta a vida nos oceanos.


Olga, a coordenadora, disse: "A oficina superou as minhas expectativas. Foi a primeira oficina da Native Schools em Portugal e também a minha estreia como coordenadora. O sorriso no rosto dos alunos, a vontade de participar em cada atividade e o orgulho na receção dos certificados foram a melhor prova do enorme sucesso da oficina. Os pais ficaram igualmente felizes e já pediram que fosse organizada uma segunda.”


Matilde Gonçalves, professora auxiliar e investigadora em linguística da Universidade Nova de Lisboa, coordenadora do programa de literacia científica, também esteve presente na oficina e comentou: “Tive o privilégio de participar na oficina organizado pela Native Scientists, no qual pude observar o impacto do projeto. Nas suas oficinas, a ciência ganha peso com as explicações e demonstrações dos cientistas, e com os alunos que conhecem cientistas do mundo real e aprendem como podem compreender e seguir os seus passos. Em suma, o projeto é fantástico não só pela sua componente científica, mas também (e acima de tudo) pela sua componente humana.”

Todos os alunos gostaram do encontro com os investigadores e dois deles já querem ser cientistas no futuro. Para ver as fotos desta oficina, siga este link.


A Native Scientists é uma premiada organização sem fins lucrativos de âmbito europeu que promove a diversidade cultural na ciência, na educação e na sociedade. A Native Scientists oferece oficinas de ciências e línguas, formações em comunicação científica e projetos personalizados para diversas instituições, incluindo escolas, universidades e embaixadas. O trabalho desenvolvido cria pontes entre alunos e cientistas para promover a literacia científica e linguística por meio de modelos de comportamento e aprendizagem integrada de ciências e línguas. Fundado em 2013, o seu trabalho chega a mais de 1.200 alunos por ano e conta com uma rede de mais de 1.000 cientistas internacionais.

Commenti


bottom of page